13 de setembro de 2017

(Vocês acharam que esse blog estava na pior, né? Mas eu voltei!)

Vamos comigo na nave da Xuxa nos teletransportar para o ano de 2010.

  
Eu estava no último ano da faculdade, fazia estágio, fazia tcc e fazia milagre pra dar conta de tudo. Minha cabeça sempre ansiosa e sempre a mil, funcionava no modo avião, sempre falhando, nunca 100%. Mas estava tudo certo, eu só tinha 22 anos. Saía de casa, ia pro estágio, de lá direto para a faculdade e chegava em casa por volta de 23h30.
  
Mas estava tudo certo, eu só tinha 22 anos, lembra?
  
Em um dia de inverno, me arrumando às pressas como sempre, coloquei uma calça jeans e fiquei indecisa sobre que bota usar: uma comprida que ia quase até o joelho (e olha que esse termo over the knee nem existia na época) ou uma curtinha, a famosa ankle boot que era o hit da época, (quase o que hoje é o tênis branco da Adidas). Coloquei um pé de cada, e em frente ao espelho, tentei me decidir. Nessa hora, Namaria deu um grito no Mais Você que passava na televisão e caiu do balão – ou algo parecido – e eu esqueci da vida.
  
A essa altura, já deu pra perceber o rumo que essa história está tomando, né?
  
Eu saía de casa todos os dias e caminhava uns 10 minutos até o ponto de ônibus que me levava direto pro trabalho. Cheguei no ponto e fiquei ali esperando.
  
Olhei o céu, olhei o horizonte, olhei os carros apressados, olhei o avião passando sobre minha cabeça, olhei pra barata no chão, olhei para os meus pés.
  
OLHEI PARA OS MEUS PÉS DE NOVO.
  
Do alto da minha visão, uma bota preta e lisa reluzia até quase chegar no meu joelho esquerdo, por cima da calça. No pé direito, uma botinha curta de amarrar, que mal chegava no tornozelo.
  
Naquele momento eu tinha duas opções. Uma eu nem cheguei a saber qual era, porque eu acatei logo a segunda e desatei a rir igual uma hiena no ponto de ônibus – tive inclusive que sentar pra recuperar o ar. Riso que logo se transformou em lágrimas porque eu já estava atrasada pro estágio e ia ter que voltar pra casa e reverter aquela situação ridícula.
  
A ida até o ponto de ônibus, foram os 10 minutos mais rápidos da minha vida, pensando na maravilhosa receita da Namaria que eu faria no fim de semana. A volta, meus amigos… AH, a volta.
  
10 minutos que pareceram 10 voltas da terra em torno do sol, caminhando em passos mancos, bolas de ferro atadas aos tornozelos, sendo julgada por olhares de repressão até a porta de casa, recebendo vaias e tomates dos transeuntes, que impiedosos, gargalhavam às minhas custas.
  
Pelo menos foi assim que me pareceu.
  
Esse episódio tem 7 anos, mas eu aprendi uma lição naquele dia que trago comigo até hoje.
  
SEMPRE, eu disse, SEMPRE, confiro meus sapatos 3x antes de sair de casa.
  

ps. eu só não sou pisciana por um erro cósmico.

4 de agosto de 2017

Então é agosto… e o que você fez? Quando comecei a escrever esse post, o arrependimento bateu quase instantaneamente. Isso porque percebi que em matéria de testar/experimentar coisas novas, o primeiro semestre deixou BEM a desejar. FORA QUE eu sofro de alzheimer precoce e não consigo lembrar nem o que almocei ontem, quanto mais alguma coisa que fiz durante esses meses. Mas eu sou teimosa e insisti na ideia, bora ver.

FILME: MOANA
Quando você percebe que o filme mais legal que viu no primeiro semestre é Moana, tem algo errado aí. Sdds Heloisa cinéfila de 2010. Eu dormi no fim do filme, mas em minha defesa, foi acúmulo de cansaço da semana. No geral, é um filme bem fofo, só preciso rever o fim, RYSOS.

 

SÉRIE: HOW I MET YOUR MOTHER
Comecei finalmente a assistir How I met your mother! Eu estava gostando. O problema é que foi em uma noite que eu tive uma insônia muito motherfucker e fui dormir 8h da manhã após uns 870 episódios. Agora toda vez que vou continuar a série, me traz lembranças ruins de uma noite em claro e não consigo assistir. AH, a mente, essa louca peça do nosso ser que nos sabota diariamente…

PRODUTO DE BELEZA: MÁSCARA VOLUMINOUS BY LOREAL
Essa é mais fácil porque são itens que uso diariamente. Eu me apaixonei por essa máscara de cílios recentemente. Minha amiga me deu porque ardia demais os olhos dela e ela não conseguia usar. Não me fiz de rogada e arrisquei, afinal o que é uma alergiazinha nos olhos, não é mesmo? Mas grazadeus pra mim funcionou perfeitamente, não ardeu nada e ainda deixou os cílios maravilhosos.

 


MÚSICA: DESPACITO BY BOYCE AVENUE
Acho bem difícil que alguém tenha passado pelo Despacito sem ser atingido e essa música jamais entraria aqui como minha preferida… A VERSÃO ORIGINAL. Porque eu fiquei viciada no cover da banda Boyce Avenue. Na minha opinião é BEM melhor que a versão original ou a versão com Justin. Inclusive fui em um show dessa banda há uns 2 meses no Cine Joia e adorei, os caras mandam muito ao vivo. Assiste aqui e me fala se concorda comigo.

 

HÁBITO: MEDITAÇÃO
Nesse semestre enfim criei o hábito de procrastinar meditar. Na verdade ainda estou engatinhando no assunto, mas já tenho planos de fazer um post sobre. Sempre tive dificuldades nesse tal de “concentrar no agora” mas minha ansiedade chegou a níveis nunca antes vistos na história desse país e aí tive que aprender na marra.

 

LIVRO: O PODER DO AGORA
Ainda nas good vibes da meditação e procurando meios de driblar as crises de ansiedade, comecei a ler o livro O PODER DO AGORA. É verdade que ainda não terminei, mas estou achando bem interessante, apesar de repetitivo pra caramba.

TENDÊNCIA FASHION: HYGGE
Se tem uma tendência que me pegou lyndramente nesse semestre foi a tal da Hygge. A Hygge é a tendência amorzíneo que veio direto da cultura escandinava (e seu minimalismo viciante) que valoriza um mood aconchegante: roupas confortáveis, tecidos macios, peças mais largas… ENFIM, tudo aquilo maravilhoso. Poizé minha amiga, e você nem sabia que seu look pra assistir netflix tinha virado tendência. Amo/sou calça e agasalho de moletom com tênis.

PERFUME: COCO MADEMOISELLE
Na verdade nem é meu preferido desse primeiro semestre, é meu preferido da vida. Me apaixonei por ele em 2015 e desde então não vivo sem. Ele é bem marcante então prefiro usar à noite, MAS às vezes a gente acorda ousada e usa de manhã também. Claro, com parcimônia, dando aquela espirrada delicada no ar:

13 de julho de 2017

Acordaaaaaa, menina!
Hoje vou compartilhar com vocês uma receita sucesso, o hambúrguer de abobrinha!

Eu sei que você tá aí do outro lado da tela fazendo cara de nojo porque ECA, ABOBRINHA NO HAMBÚRGUER, QUE HERESIA.
Mas hoje é dia 13/07, um bom dia para dar uma chance pro nosso amigo vegetariano que, sejamos honestos, de hambúrguer só tem o nome. A verdade é que às vezes eu invento umas receitas adaptadas do mundo carnívoro porque não como carne vermelha há 15 anos.
 
Bora aprender a fazer esse ABOBURGUER (credo, que horrível) que é saudável, é light, é fitness, é muito bom.

Alerta: Eu sempre faço essa receita bem no olhômetro então foi difícil fazer a lista exata de ingredientes.

Separa aí:

– 6 abobrinhas médias
– Cebola picada – a gosto
– Cebolinha – a gosto
– Sal, pimenta, temperos mil – a gosto
– Aveia – o suficiente pra dar liga
– Azeite pra untar

E acabou. Juro, é só isso.

PS. Tudo que é a gosto, recomendo “a gosto de uma pessoa exagerada” porque abobrinha é uma coisinha meio sem graça, então TACA OS TEMPERO TUDO.

1. Primeiro de tudo, você descasca as abobrinhas, corta em rodelas e coloca pra ferver.

2. Depois que estiverem cozidas e bem molinhas, faça um purê usando um garfo, um martelo, um amassador de batatas, o cotovelo, enfim, use a imaginação.

3. Como abobrinha solta muita água, espere esfriar, coloque essa maçaroca toda em um pano de prato e aperte pra retirar a água.
 
DICA: levem a sério a parte do “espere esfriar.” Queimei meu dedo lindamente na pressa de terminar. Não tirei foto desse passo porque não é um processo bonito, mas não tem segredo. Pega um pano de prato (obviamente limpo, não aquele que você secou a louça o mês inteiro), coloca o purê de abobrinha no meio, fecha igual uma trouxinha e torce pra dar certo sair a água.
 
Vai ficar uma bolota de massa tipo essa da foto 3.

4. Aí você coloca a cebola, cebolinha, sal pimenta, os tempero tudo e mistura. Eu uso o sal rosa e os temperos da Pitada Natural que são livres de sódio, sem glutamato, sem conservantes e muito bons! OLHA O JABÁ

5. Aí você vai acrescentando aveia pra dar liga até ficar uma massa mais sequinha e moldável.

6. Unte as mãos com um pouco de azeite e faça os bolinhos no formato de hambúrguer. Sobrou um pouco de massa e eu fiz alguns menores em formato de almôndega.

Arruma tudo em uma fôrma untada com azeite e coloca pra assar em forno a 200ºC por uns 20 minutos ou até dourar. Vire na metade do tempo.

7. Acabe com a ideia fitness e light dessa receita, montando um lanche com pão, mostarda, maionese, ketchup e entupimento de artérias!

Pronto!
 
Me contem nos comentários se vocês pretendem fazer ou se estão me xingando mentalmente por inventar um negócio desses.

Página 1 de 612...Última »